Participe de nossa expansão internacional: invista na Questor!

Até 38% de rentabilidade anual em mútuos conversíveis!

 

Investimentos Pós-Covid

Preocupado com o novo cenário para seus
investimentos financeiros?

Calma! Muitas coisas mudaram, mas para melhor! Como já apontamos (veja nossos últimos artigos), os EUA não deverão ruir, o mundo deverá tender à estabilidade conservadora ou não (do ponto de vista econômico) – conquanto a Janela de Overton (que define os “normais político-sociais”) siga se dilatando – e teremos um jogo de poder e ideologias mais “aberto”.

Nesse contexto, como ficam seus investimentos?

Bem, vamos analisá-los a fundo! Mas, antes, vamos esclarecer alguns conceitos essenciais:

1. Investimento (financeiro): é todo capital financeiro comprometido (por determinado período) em algum ativo ou atividade a fim de produzir retornos na forma de…

2. Renda (do latim “reddita > reddere > re-dare”: “dar de novo”): é o produto (periódico ou não) do investimento, calculado a partir de sua taxa de…

3. Juro (do latim “jus > juris”: “direito”): representa, pois, a taxa percentual de remuneração (por “direito”) do capital investido.

 

Embora muitas fontes utilizem rentabilidade e renda indistintamente, “rentabilidade é o potencial de um ‘investimento’ de produzir ‘renda'”.

Na prática, se um “investimento” exige um aporte de cem reais e promete “juros” de dez por cento ao mês, sua “renda” (ou “rendimento”) mensal é de dez reais. Capisci?

Fácil essa parte! Mas espere! “Investimentos que oferecem os mesmos juros, oferecem sempre a mesma rentabilidade”: mito ou verdade?

Mito.

Fatores como incidência de IR, taxas administrativas e diferenças cambiais podem alterar, sim, e significativamente, seus rendimentos líquidos!

Apesar de, como já vimos, “rentabilidade” e “juro” (não serem etimológicamente a mesma coisa), normalmente, as calculadoras de investimentos utilizam valores percentuais para a rentabilidade.

Por isso, ATENÇÃO, quando você for fazer esse cálculo, desconte da “rentabilidade nominal bruta” (o valor percentual divulgado como “juros a pagar”) as taxas percentuais de administração da corretora e/ou gestora do investimento e o imposto de renda incidente sobre a transação, obtendo a “rentabilidade nominal líquida”.

…2022 chegando e
ainda não ouvimos o termo “Pós-Covid”

Escrevemos esse artigo originalmente em 2020 – quando a Covid ainda se apresentava como uma assustadora “novidade”. Atualmente (estamos no final de outubro de 2021) e a Covid continua em alta… a despeito mesmo de uma acentuada queda dos casos de mortes causadas pela doença – mas, afinal, quem pode contra a imprensa, hmm?

Contudo, algo se confirmou: os mercados continuam “estavelmente instáveis”: as criptomoedas sobem e descem como sempre, as ações sobem e descem como sempre, os títulos de renda fixa continuam seguros e pouco rentáveis como sempre e a única “surpresa” foi uma (previsível)  inflação em nível global – devido ao crescimento do consumo e da expansão da base monetária (em alguns países).

Portanto, continuamos firmes com a sugestão: HFT!

A partir daí, subtraia a inflação para obter a “rentabilidade real”: o resultado pode ser surpreendente! Lembre-se: a rentabilidade divulgada para o CDB, por exemplo, é bruta, enquanto, para a LCA e poupança, é líquida. Mas a “rentabilidade real” da poupança é nula – afinal, poupança não é investimento, lembra?

Sendo assim, você quer investir com a melhor rentabilidade líquida possível. Certo?

Errado! Queremos mais que isso!

Todos procuramos uma boa rentabilidade… desde que com risco e liquidez suportáveis. Ou seja, você não quer arriscar seu dinheiro (em algo duvidoso) e não pretende comprometer seus recursos em aplicações com prazos de resgate longos demais. Por isso precisamos avaliar rentabilidade, risco e liquidez em diferentes investimentos, instituições e jurisdições. Diversificar!

Em regra, quando os mercados se aquecem, optamos por aplicações mais seguras (porque até elas oferecem bom retorno), e, quando os mercados arrefecem, buscamos investimentos mais ousados.

É por isso, que, em mercados mais estáveis, existem tantos investidores em startups, ações e day trade: porque não existe opção proporcionalmente atraente na renda fixa, por exemplo.

Sendo assim, se as finanças mundiais estiverem estáveis no pós-COVID (como acreditamos) qual será(ão) o(s) melhor(es) investimento?

Eis a resposta:

1. Invista em “Speed-Trading”: nada rende tanto (nesse cenário)!
2. Procure profissionais e tecnologias maduras: o risco (de fazer sozinho) não compensa!
3. Busque garantias reais para o seu investimento!

 

Team/Equipe Questor

Team/Equipe Questor

A Equipe Questor é formada por um time multidisciplinar de profissionais das áreas técnica, administrativa, comercial e editorial - com conteúdos assinados pelos melhores economistas, cenaristas e traders do mercado internacional, abordando assuntos relacionados a finanças, investimentos, comportamento e às soluções desenvolvidas pela Questor e seus parceiros.

Comente e discuta! 

 

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Artigos Relacionados

Onde mora seu dinheiro?

Onde mora seu dinheiro?

O seu dinheiro pode morar em um lugar, você em outro, suas empresas em outro e assim por diante. Vamos falar sobre isso? Antes, porém, de decidir o melhor lugar para suas finanças, tente responder às seguintes perguntas: 1. Onde você prefere viver?2. Onde você prefere...

ler mais
Criptomoedas

Criptomoedas

Você, no mínimo, já ouviu sobre o assunto. Muitos de nós já investiram. E alguns, até mesmo, enriqueceram com esses "ativos misteriosos" e estritamente fiduciários. Sim, eis o segredo das #criptomoedas: a "fidúcia", uma palavra derivada do latim que significa...

ler mais
O que é Pirâmide?

O que é Pirâmide?

Pirâmides Financeiras, Esquemas Ponzi, correntes... o que, afinal, determina a inconsistência operacional e a ilegalidade desses "scams"? Vamos abordar esse assunto detidamente neste artigo - do ponto de vista psicológico, mercadológico, administrativo, econômico,...

ler mais
Share This